Qualidade de sementes de jiló (Solanum gilo Raddi – Solanaceae) armazenadas em ambiente não controlado
PDF

Palavras-chave

Fitotecnia
Produção de sementes
Armazenamento
Viabilidade

Como Citar

Oliveira, C. M. (2020). Qualidade de sementes de jiló (Solanum gilo Raddi – Solanaceae) armazenadas em ambiente não controlado. ForScience, 8(1), e00663. https://doi.org/10.29069/forscience.2020v8n1.e663

Resumo

Os setores de produção e de conservação de sementes dependem diretamente de trabalhos que determinem as melhores condições de armazenamento e que, consequentemente, garantam o maior período possível de manutenção da qualidade fisiológica da semente. Em regiões tropicais, há uma maior limitação no que tange à manutenção da qualidade fisiológica durante o período de armazenamento, principalmente em ambiente não controlado, cuja variação das condições ambientais pode influenciar sobremaneira a qualidade final de um lote de sementes. Objetivou-se, com o presente trabalho, avaliar a qualidade de sementes de duas cultivares de jiló (Solanum gilo Raddi), armazenadas em condições ambientais não controladas. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados com 5 repetições, em esquema fatorial 2x5, sendo duas cultivares de jiló (Morro Grande e Português) e 5 períodos de armazenamento (0, 30, 60, 90 e 120 dias de armazenamento). Avaliou-se a porcentagem de germinação, a porcentagem de emergência, o Índice de Velocidade de Emergência, o Coeficiente de Variação no Tempo, o Tempo Médio da Emergência, os Índices de Incerteza e de Sincronia da Emergência e a Frequência Relativa da Emergência de plântulas. A cultivar Português se apresentou com os melhores índices de porcentagem de germinação, porcentagem de emergência, índice de velocidade de emergência, tempo médio da emergência e coeficiente de variação do tempo da emergência, quando as sementes foram armazenadas por até dias em ambiente não controlado. A cultivar Português é indicada aos produtores de jiló visando produção de mudas, pois se mostrou superior a cultivar Morro Grande quando armazenadas por até 30 dias em ambiente não controlado. Após 30 dias de armazenamento, a utilização de sementes das duas cultivares não é indicado, pois a porcentagem de germinação cai consideravelmente.

Palavras-Chave: Fitotecnia. Produção de sementes. Armazenamento.Viabilidade.

 

Seed quality of scarlet eggplant stored in environmental conditions not controlled

Abstract

The sectors of production and conservation of seeds depend directly from studies that determine the best storage conditions and that consequently guarantee the longest possible period of maintenance of physiological quality of seed. In tropical regions, there is a major limitation regarding the maintenance of physiological quality during storage period mainly in uncontrolled environment, whose variation of environmental conditions can greatly influence the final quality of a seed lot. The objective of this final paper was to evaluate the quality of seeds of two cultivars of scarlet eggplant (Solanun gilo Raddi), stored in environmental conditions not controlled. The experimental design used was randomized blocks with 05 replications in a factorial 2 x 5, being two cultivars of scarlet eggplant (Morro Grande and Portuguese) and 05 storage periods (0, 30, 60, 90 and 120 days of storage). Was evaluated the Percentage of Germination, Percentage of Emergence, Emergence Speed Index, Coefficient of Variation of the Time, Average Time of Emergency, Indexes of Uncertainty and Sync the Emergence and Relative Frequency of Seedling Emergence in the time. The Portuguese cultivar presented the best rates of Germination Percentage, Emergency Percentage, Emergency Speed Index, Average Emergence Time and Emergence Time Variation Coefficient, when seeds were stored for up to 30 days in an uncontrolled environment. The Portugues cultivar is indicated to jiló producers aiming seedling production because it was superior to Morro Grande cultivar when stored for up to 30 days in an uncontrolled environment. After 30 days of storage, the use of seeds from both cultivars is not indicated because the germination percentage drops considerably. 

Keywords: Phytotechny. Seed production. Storage. Viability.

https://doi.org/10.29069/forscience.2020v8n1.e663
PDF

Referências

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para Análise de Sementes. Brasília: MAPA/ACS, 2009.

CAMARGO, L. S. As hortaliças e seu cultivo, 3 ed. Campinas: Fundação Cargill, 1992.

CARRARO, I. M. A. Importância da utilização de sementes melhoradas na agricultura moderna. Anuário Abrasem, Brasília, p. 20-23, 2004.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000.

COOLBEAR, P. Mechanisms of seed deterioration. In: BASRA, A. S. (Ed.). Seed quality: basic mechanisms and agricultural implications. New York: Food Products Press, p. 223-277. 1995.

D’ARCY, W. G. The Solanaceae since 1976, with a review of its biogeography. In: Solanaceae III: taxonomy, chemistry, evolution. London: Kew Royal Botanical Gardens, p. 75-137, 1991.

DELOUCHE, J. C.; BASKIN, C. C. Accelerated aging techniques for predicting the relative storability of seed lots. Seed Science and Technology, v. 1, n. 3, p. 427-452, 1973.

DIAS, D. C. F. S. Maturação fisiológica de sementes: o processo. Seed News, v. 5, n. 6, p. 22- 24, 2001.

ELLIS, R. H.; ROBERTS, E. H. Improved equations for the prediction of seed longevity. Annals of Botany, v. 45, n. 1, p. 13-30, 1980.

FERREIRA, D. F. Programa Sisvar.exe. Sistema de análises de variância. Versão 5.3. 2003.

FILGUEIRA, F. A. R. ABC da olericultura: guia da pequena horta. São Paulo: Agronômica Ceres, 164p., 1987.

GROOT, S. P. C. et al. Gene expression during loss and regaining of stress tolerance at seed priming and drying. In: NICOLÁS, G. et al. The biology of seeds: recent research advances. CAB International, p. 279-287, 2003.

HUNZIKER, A. T. Genera Solanacearum. The genera of Solanaceae illustrated, arranged according to a new system. Ruggell, A. R. G.Gantner Verlag. 2001.

LABOURIAU, L. F. G. A germinação de sementes. Washington: Sec. Org. dos Estados Unidos, 1983. 174p.

LABOURIAU, L. G.; VALADARES, M. E. B. On the germination of seeds Calotropis procera (Ait.) Ait.f. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v. 48, n. 2, p. 263–84, 1976.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 1, p. 176–7, 1962.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2. ed. Londrina: ABRATES, 2015. 660 p.

McDONALD, M. B. Seed deterioration: physiology, repair and assessment. Seed Science and Technology. Zurich, v. 7, n. 1, p. 177-237, 1999.

NAKADA, P. G. et al. Desempenho durante o armazenamento de sementes de pepino submetidas a diferentes métodos de secagem. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 32, n. 3, p. 42-51, 2010.

PESAGRO-RIO; EMATER-RIO. Recomendações para a cultura do jiló. Niterói: Informe Técnico, n. 18, 16 p., 1986.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B. Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. p. 215-274.

RODRIGUES, F. C. M.; AGUIAR, I. B. Maturação e dispersão de sementes. In: AGUIAR, I. B.; POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. AGIPLAN, 289 p., 1985.

ROBERTS, E. H. Predicting the storage life of seeds. Seed Science and Technology, v. 1, p. 499-514, 1973.

SANTANA, D. G. et al. Germinação de sementes e emergência de plântulas de pau-santo: uma análise crítica do uso de correlação. Revista Brasileira de Sementes. 32: 134-140, 2010.

SANTANA, D. G.; RANAL, M. A. Análise da germinação: um enfoque estatístico. Brasília: UnB, 2004. 248p.

SILVA, R. P. et al. Qualidade fisiológica de sementes de soja (Glycine max L.) durante o beneficiamento. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 32, n. 4, p. 1219- 1230, 2011.

Creative Commons License

Este trabalho está licensiado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Array